conteúdos em inglês / english contents

Este relatório será uma versão preliminar do relatório final de monitorização.

Este relatório irá conter:

  • Uma análise da evolução das dinâmicas por plataforma;
  • Uma análise dos indicadores de resultados definidos;
  • Uma análise da posição do Centro de Portugal no Regional Innovation Scoreboard;
  • Uma síntese das conclusões/recomendações que forem sendo produzidas no âmbito das outras componentes da monitorização e que poderão vir a ser importantes para suportar opções para o próximo período de programação financeira.

Está em definição um conjunto de indicadores de resultado e de realização da RIS3 do Centro.

Esta secção faz uma análise atenta e qualitativa às Plataformas de Inovação, contendo:

  • Dinâmicas em curso;
  • Análise zoom de candidaturas;
  • Identificação de projetos emblemáticos RIS3 (“selo RIS3”);
  • Projetos financiados por outros instrumentos (e.g. H2020, INTERREG, …);
  • Análise aos Programas Mobilizadores;
  • Promoção de Programas Doutorais e Contratação de Recursos Humanos Altamente Qualificados.

Distribuição das candidaturas aprovadas, sujeitas a análise do alinhamento com a RIS3 do Centro, por Tipologia de Instrumento (30 de junho de 2020).

 

          

 

Distribuição das candidaturas aprovadas, sujeitas a análise do alinhamento com a RIS3 do Centro, por Plataforma de Inovação (30 de junho de 2020).

 

                                                      

 

Distribuição das candidaturas aprovadas, sujeitas a análise do alinhamento com a RIS3 do Centro, por Domínio Diferenciador Temático e Prioridade Transversal (30 de junho de 2020).

 

                 

 

 

Distribuição das candidaturas aprovadas, sujeitas a análise do alinhamento com a RIS3 do Centro, por localização dos projetos por NUTS III (30 de junho de 2020).

 

                                                

 

 

Para mais informação consulte aqui o Caderno D.

 

 

Nesta secção monitorizam-se o número de reuniões/eventos (e.g. EDP- Entrepreneurial Discovery Process, PDL -  Project Development Labs, Focus Groups, etc) realizados na Região Centro, o seu número de participantes e ainda outros elementos que possam demonstrar a importância e sucesso dos mesmos (por exemplo, o número de ideias de projetos resultantes). É dada particular relevância à promoção empresarial em torno de determinadas áreas consideradas fulcrais para a Região.

 

Número de reuniões de discussões temáticas realizadas no âmbito da RIS3 do Centro 12
Número de participações nas reuniões de discussões temáticas realizadas no âmbito da RIS3 do Centro 482
Número de ideias de projetos resultantes de reuniões de discussões temáticas realizadas no âmbito da RIS3 do Centro 18

Nesta secção monitoriza-se o número de ações desenvolvidas para comunicação da RIS3 do Centro, bem como a presença em eventos nacionais e internacionais e outros elementos cruciais à comunicação e capacitação da Estratégia, como o número de materiais de promoção produzidos.

 

Número de sessões de capacitação da RIS3 do Centro (co)organizadas pela CCDRC 10
Número de participações nas sessões de capacitação 601
Número de presenças da RIS3 do Centro em eventos nacionais 11
Número de presenças da RIS3 do Centro em eventos internacionais 20
Número de documentos de comunicação da RIS3 do Centro 10
Número de atualizações dos documentos de comunicação da RIS3 do Centro 15
Número de visitas ao microsite da RIS3 do Centro (a 3 de março de 2020) 41.691

Nesta secção monitoriza-se o funcionamento dos órgãos de governação (incluindo os Grupos de Trabalho criados por plataforma de Inovação) e outras dinâmicas relevantes para o desenvolvimento da RIS3 do Centro, como foi a Consulta Pública.

 

Número de reuniões dos órgãos de governação 38
Número de participações nas reuniões 1435
Número de sessões da consulta pública 3
Número de participações nas sessões de consulta pública 198
Número de contributos recebidos através da consulta pública 25
Número de reuniões do Conselho Coordenador da ENEI, com presença da região Centro 2

 

 

 

TESTE

TESTE

TESTE

Sistema de Monitorização
Processo de
Desenvolvimento
Operacionalização Análise de
Longo Prazo
Governação Alinhamento
de Projectos
Relatórios
Comunicação
e Capacitação
Plataformas
de Inovação
Discussões
Temáticas
Painel de
Indicadores

Inovação territorial Inovação territorial

Com esta plataforma de inovação pretende-se ativar o contributo do sistema social e económico, introduzindo na Região novas linguagens e processos que corporizam uma agenda para a inovação indissociável do potencial endógeno do território, do seu potencial humano, das suas gentes e da ligação que estas estabelecem com o seu contexto. Assim, dinamizam-se aqui projetos e soluções inovadoras para os territórios rurais e de baixa densidade, que promovam cidades inteligentes e sustentáveis, como base numa economia de baixo carbono, e que procurem a qualificação do turismo da Região.

 

4.a) Promoção e dinamização de projetos de inovação ancorados no território

Desenvolvimento de sistemas e tecnologias de informação que promovam oportunidades e recursos e minimizem riscos de segurança (e.g. cibersegurança)

Desenvolvimento da Economia Criativa

Desenvolvimento de projetos inovadores na área da Economia da Natureza, da Economia Verde e de Baixo Carbono

Desenvolvimento de projetos que promovam sistemas de alimentação saudável

Valorização e inovação nas fileiras produtivas rurais (promovendo cadeias curtas de comercialização)

Promoção de projetos que assegurem a acessibilidade a bens e serviços e a melhoria da qualidade de vida, em especial nos territórios de baixa densidade

Promoção de cidades sustentáveis, criativas e inteligentes

Desenvolvimento de redes e de sistemas inteligentes (por exemplo, energia, água, comunicações e mobilidade, designadamente em formato open data)

Promoção de projetos que visem a revitalização do património cultural (construído ou imaterial)

Desenvolvimento de soluções inovadoras no habitat que respondam às necessidades e tendências sociodemográficas (envelhecimento ativo, autonomia da população idosa, espaços evolutivos consoante as necessidades, dificuldades motoras, etc.)

Promoção de novos modelos de participação no desenvolvimento das cidades (city making) e na governação do território

Desenvolvimento de novas soluções e serviços que promovam a relação entre o espaço rural e o espaço urbano

4.b) Promoção de iniciativas de inovação social

Desenvolvimento de projetos que incidam, de forma inovadora, sobre as problemáticas da inclusão social, nomeadamente a pobreza (urbana e rural), o desemprego, a capacitação de jovens e a inclusão de públicos em situação de desvantagem

Promoção de modelos pedagógicos inovadores e integradores de ensino/aprendizagem

Desenvolvimento de soluções inovadoras que gerem novas formas de empregabilidade e autoemprego

4.c) Desenvolvimento de propostas inovadoras para a qualificação do turismo da Região Centro

Desenvolvimento de projetos turísticos diferenciadores e customizados e que contribuam para a sustentabilidade dos destinos

Estruturação de pacotes turísticos combinados e/ou compósitos, incluindo produtos de fora da região

Inserção de produtos regionais em pacotes turísticos de maior escala (nacional e mesmo internacional)

Desenvolvimento de uma rede de alojamento turístico altamente inovadora

Valorização dos ativos/recursos diferenciadores da região na estruturação de produtos turísticos também eles diferenciados (turismo rural de qualidade, termas e turismo de bem estar, turismo de percurso, turismo de experiências, turismo sustentável, turismo cultural, surf, ...)

Tecnologias para a qualidade de vida Tecnologias para a qualidade de vida

Embora o conceito de “Qualidade de vida” seja transversal a vários setores, envolvendo fatores multidimensionais da vida, nesta plataforma de inovação este conceito está, inegavelmente, relacionado com a saúde e os seus cuidados. Assim, procuram-se projetos que promovam o desenvolvimento de tecnologias e soluções para a prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças, para o envelhecimento ativo e saudável e para a oferta integrada de turismo e bem-estar.

 

3.a) Desenvolvimento de ações e sistemas inovadores de prevenção em saúde

Estímulo ao aparecimento de produtos e de serviços que contribuam para promoção e a manutenção da saúde

Promoção de tecnologias para a gestão e monitorização à distância e tecnologias que incentivem comportamentos saudáveis tirando partido, por exemplo, da utilização de “serious games”, realidade virtual ou “internet das coisas”

3.b) Desenvolvimento de ações e sistemas inovadores que facilitem o diagnóstico precoce em saúde

Promoção da identificação e/ou validação de bio marcadores, plataformas de integração de dados em saúde, monitorização remota, ambientes preditivos, medicina de precisão, medicina personalizada e avaliação de predisposição à doença

3.c) Desenvolvimento de novos tratamentos e terapias (e.g. celular, genética, biológica, farmacológica, regenerativa, entre outras)

Promoção de plataformas de investigação, pré-clínica, clínica e ensaios clínicos

Promoção da participação em redes de investigação translacional

Desenvolvimento e validação de novas terapias, incluindo terapias de precisão (e.g. farmacológicas, génicas e celulares), novos materiais (e.g. biomateriais) e de dispositivos médicos

3.d) Desenvolvimento de ações e sistemas inovadores que promovam o envelhecimento ativo e saudável, indutores de uma vida autónoma (independent living), que cruzem as diferentes redes de cuidado (cuidados de saúde e apoio social)

Promoção de tecnologias de apoio e monitorização com impacte no processo de envelhecimento (preventiva, terapêutica, ocupacional e social)

Desenvolvimento de serviços de valor acrescentado na região (como early adopters), que facilite a inclusão dos mesmos produtos e serviços em cadeias de valor internacionais

3.e) Adoção de plataformas de promoção à interoperabilidade entre sistemas, potenciadoras de soluções centradas no cidadão

Incorporação de conceitos tecnológicos avançados que promovam a integração entre cuidados de saúde, apoio social e bem-estar (well-being), contribuindo para o aparecimento de soluções digitais centradas no cidadão

3.f) Promoção de ações que permitam reforçar a aposta no Turismo de Saúde e Bem-Estar

Cooperação intersetorial no turismo de saúde e bem-estar, investigação, inovação e formação

 

Valorização dos recursos endógenos naturais Valorização dos recursos endógenos naturais

Esta plataforma de inovação tem como objetivo dinamizar projetos estruturantes importantes para o progresso e para a sustentabilidade social, económica e ambiental da região. O grande desafio com ela apresentado é o da conservação, mapeamento, preservação e valorização contínua dos recursos endógenos naturais, bem como o estímulo à criação e internacionalização de novos produtos de valor acrescentado nos diferentes setores, privilegiando um conhecimento profundo destes valores.

 

2.a) Conservação e sustentabilidade dos recursos endógenos naturais

Promoção de projetos para o conhecimento e valorização dos serviços dos ecossistemas (de suporte, de regulação, de produção e culturais), incluindo as formas de valorização constituintes do bem-estar (nomeadamente por via da segurança, de matérias-primas e bens essenciais, de saúde e de relações sociais)

Desenvolvimento de projetos para o conhecimento, focados na interação entre os ecossistemas e o Homem, promovendo e valorizando equilíbrios positivos, ou, em casos de desequilíbrios negativos e degradação, promoção de projetos e metodologias inovadoras para a devida restauração, reabilitação e reconversão

Promoção de projetos que contribuam para o conhecimento, a conservação, a proteção, a valorização e a sustentabilidade da biodiversidade em todo o território, privilegiando as espécies autóctones e os recursos genéticos endógenos – animais, plantas e micro-organismos

Promoção de projetos de avaliação do ciclo de vida, sustentabilidade e valorização dos recursos naturais endógenos: recursos geológicos (tais como águas minerais naturais, fontes termais, minerais, etc..), energéticos, hídricos, marinhos, genéticos, agrícolas e florestais, entre outros

Promoção de projetos para a prevenção, a avaliação do risco, a mitigação e o controlo de pragas e doenças nos setores agroalimentar e agroflorestal

Promoção de projetos com vista à valorização e sustentabilidade do património natural e paisagístico da região

2.b) Monitorização e gestão integrada dos recursos endógenos naturais

Promoção de projetos para a implementação de sistemas locais e remotos de mapeamento, inventariação e monitorização dos recursos endógenos naturais, lato sensu (tais como os recursos geológicos, energéticos, hídricos, marinhos, genéticos, agrícolas e florestais, entre outros)

Dinamização de projetos que promovam o desenvolvimento de tecnologias e produtos de suporte à monitorização e à gestão integrada dos ecossistemas marinhos, agrícolas e florestais (incluindo, entre outras, as fileiras das pescas, frutícola, vitivinícola, olivícola, etc.)

Dinamização de projetos que promovam a especialização inteligente, aliando as TICE e as atividades de exploração dos recursos naturais endógenos, tais como atividades marítimas (Smart Coast), agrícolas (SmartFarm), etc.

Promoção de projetos de monitorização do território e gestão integrada do risco (alterações climáticas, secas e cheias, contaminação de águas subterrâneas e aquíferos de águas minerais naturais, incêndios, erosão genética, espécies invasoras, pragas e doenças, dinâmicas da orla costeira, eventos extremos, etc.)

Promoção de projetos para a caraterização biológica, físico-química e sensorial de produtos naturais e agroalimentares, incluindo as cultivares tradicionais com potencial de inovação

2.c) Desenvolvimento de produtos, processos e serviços com vista à dinamização das cadeias de valor associadas aos recursos endógenos naturais

Promoção de projetos conducentes à implementação do conceito de bio refinaria integrada nas indústrias florestais e agroalimentares

Promoção de projetos de investigação e desenvolvimento tecnológico na área das energias renováveis (biomassa, solar, marinha, hidroelétrica e geotérmica)

Promoção de projetos de valorização de produtos e subprodutos florestais, agroalimentares, da pesca e da aquacultura, e de prospeção de compostos e produtos bioativos para a saúde e bem-estar

Promoção de projetos de desenvolvimento e aplicação de tecnologias inovadoras e de precisão nos setores agroalimentar, florestal e da pesca, melhorando a qualidade e a segurança alimentar e criando novos produtos de valor acrescentado

Dinamização de projetos de aquicultura sustentável em ambiente costeiro e de aquicultura em águas interiores como suporte à valorização ecológica e produtiva dos ecossistemas, que potenciem o setor emergente da “biotecnologia azul”

Promoção de projetos com vista ao desenvolvimento de tecnologias sustentáveis de recuperação e valorização de águas residuais e efluentes resultantes da atividade económica

Promoção de projetos de valorização dos recursos geológicos da região, em especial na aplicação de novas tecnologias para a deteção e exploração de jazigos profundos (mar e terra) e jazigos metálicos de baixa concentração

Desenvolvimento, certificação e promoção de produtos e serviços com elevado potencial para novos mercados

Promoção de projetos de desenvolvimento de produtos, serviços e tecnologias de suporte à logística e cadeias de distribuição mais eficientes e seguras, incluindo a valorização de processos de produção e práticas de comercialização e marketing

Promoção de projetos com vista à melhoria da eficiência do uso dos recursos nas cadeias de valor

Eixo 1 Soluções Industriais Sustentáveis

Esta é uma plataforma transetorial e multissetorial que pretende ter efeitos nas dimensões económica, social e ambiental e cujo objetivo é a modernização progressiva da indústria e a transformação do tecido industrial da Região Centro face aos desafios societais nacionais e europeus, de forma a gerar produtos de maior valor acrescentado para a região. Para isso, pretende-se a promoção de materiais, produtos e processos que tenham como agentes de mudança o uso eficiente e inovador dos recursos, a economia circular, as alterações climáticas e a indústria 4.0. 

 

1.a) Desenvolvimento de processos, materiais e sistemas sustentáveis de maior valor acrescentado para a Região Centro

Promoção de projetos que envolvam o desenvolvimento de processos, materiais, produtos ou sistemas sustentáveis e

inovadores com maior valor acrescentado para a indústria e a região

1.b) Uso eficiente de recursos e redução do impacte ambiental nos processos produtivos

Promoção de projetos que conduzam a um uso eficiente de recursos (energia, água e materiais), incluindo a

descarbonização e a redução de outros impactes, bem como a valorização de recursos minerais da região

1.c) Modernização industrial por via da Economia Circular

Promoção de projetos que apostem nos princípios da economia circular para a transformação e a modernização dos

diversos setores industriais da região, conferindo-lhes maior valor acrescentado e maior competitividade global

Fomento de projetos que usem a avaliação da sustentabilidade de processos, produtos e sistemas como ferramenta de

eco-inovação

Valorização de resíduos nos processos, produtos e sistemas em simbiose industrial através da reciclagem, reutilização e

valorização de resíduos e subprodutos como matérias-primas secundárias

1.d) Modernização industrial por via da “Produção centrada no ser humano”

Promoção de projetos que contribuam para a mudança de sistemas de produção industrial, de acordo com o conceito de

valorização do ser humano nas fábricas do futuro, agregando os conceitos da desmaterialização dos processos (Indústria

4.0) e relevando as tarefas mais nobres e de maior valor acrescentado para o ser humano na produção e nos serviços

associados

1.e) Valorização de tecnologias avançadas e/ou emergentes nos processos, produtos e sistemas eco inovadores de maior valor acrescentado

Promoção da incorporação de tecnologias avançadas e/ou emergentes (TICE – tecnologias de informação, comunicação e

eletrónica, micro e nanotecnologias, micro e nano materiais ou outros aditivos funcionais) que capitalizem maior valor

acrescentado nos processos e produtos industriais

Cruzamento de experiências entre diferentes cadeias de valor, da inovação ao empreendedorismo, dos modelos de

negócio aos serviços de apoio e logística